A nossa viagem à ILHA TERCEIRA, Açores

A nossa viagem à ILHA TERCEIRA, Açores

Ilha Terceira: onde a Natureza ainda está em bruto.

Quando, no início de Fevereiro, surgiu a possibilidade de uma semana de férias completamente inesperada, começámos freneticamente à procura de um destino que cumprisse dois critérios: fosse relativamente barato; não fosse muito longe, tendo em conta que era apenas uma semana; e tivesse condições meteorológicas melhores que Lisboa (ou, pelo menos, não piores). Tendo estes factores em conta, chegámos rapidamente à conclusão de que os Açores eram a opção certa. E quando cruzámos disponibilidades e preços, acabámos por optar pela ilha Terceira e São Miguel (sobre a qual iremos escrever mais tarde).

Quando o destino é barato há sempre alguma contrapartida, e neste caso chamou-se Ryananir e os seus voos péssimos e ultra desconfortáveis. Nada a que já não estejamos habituados, só que esperamos sempre que a situação mude… Mas passando à frente, chegámos à Ilha Terceira a meio da tarde, prontos para aproveitar o resto do dia.

ilha terceira

Escolhemos ficar num alojamento de turismo rural e, qual não foi o nosso espanto quando percebemos que ficava mesmo ao lado do Queijo Vaquinha, um dos sítios mais recomendados na Terceira. E para melhorar ainda mais, não é que o pequeno-almoço incluído na nossa estadia… era mesmo lá?! 😀 Foram 3 dias em que tivemos sempre direito a queijo de qualidade (trouxemos de recordação o picante!), queijo fresco, iogurtes caseiros, fruta, leite, café, bolos regionais e pão lêvedo. Um pequeno almoço de reis!

ilha terceira queijo vaquinha

Voltando ao nosso primeiro dia, a meio da tarde resolvemos subir ao pico de Santa Bárbara, o ponto mais alto da ilha. Apesar de estar um dia ensolarado, lá em cima estava um nevoeiro serrado e 5 graus negativos (fãs de Stranger Things, parecia o “upside down”).

ilha terceira miradouro

Já ao final da noite, conduzimos até Angra para procurar onde jantar. Com pouca bateria para procurar dicas online demos com a Tasca das Tias e dado o bom aspecto e a falta de opção, decidimos ficar. Foi o jantar mais caro que tivemos nos açores (30€), e apesar de bom, na nossa opinião não vale esse valor. Optámos por partilhar vários petiscos açoreanos e podem ver aqui o que escrevemos sobre este restaurante.

ilha terceira tasca das tias angra do heroísmo

No 2º dia, dado que as grandes – e únicas – atracções da ilha (Algar do Carvão e Gruta do Natal) só abriam durante a tarde, decidimos ir ver as furnas do Enxofre. Como seria de esperar, neste sítio cheira bastante a enxofre, então se o vento estiver de feição… Há um percurso que se pode fazer a pé para ver mais de perto os locas onde se vê o fumo a sair, mas infelizmente devido ao mau tempo só estava aberto até meio.

ilha terceira piscinas naturais biscoitos

Depois fomos até Biscoitos, ver as piscinas naturais (já com a paragem pensada no famoso restaurante O Caneta). As piscinas naturais de Biscoitos são realmente bonitas e convidativas a tomar banho, mesmo sendo inverno. O mar azul turquesa convence imensos turistas a experimentar a água e a aproveitar o “bom tempo” da Ilha Terceira. Depois de uma queda aparatosa (tenham cuidado… o piso é muito escorregadio!!) decidimos que já era hora de almoçar.

O Caneta foi a melhor refeição que tivemos na Terceira, comida tradicional, deliciosa e a um preço justo. Provámos o famoso picadinho de alcatra, a alcatra dos Açores, o peixe boca negra e duas sobremesas tradicionais, sempre acompanhado com vinho da casa e da região (20€). Podem ler mais detalhadamente aqui toda a nossa refeição.

ilha terceira picadinho de alcatra restaurante o caneta

 

Um bocado cheios do almoço, lá fomos ao Algar do Carvão ver um cone vulcânico extinto! É possível descer dentro do vulcão, ver estalactites enormes e ainda uma lagoa. Vale muito a visita. Comprámos logo o bilhete combinado (9€) e seguimos directamente para a Gruta do Natal. É possível descer e andar livremente na gruta, sempre de capacete  A parte engraça é a origem do nome. Chama-se Natal pois há um antigo altar no interior onde antigamente era celebrada a missa do galo.

ilha terceira algar do carvão

Deixámos o Monte Brasil e o pelourinho para o último dia. Fizemos a caminhada da praxe até ao cume de onde podemos ter uma vista simpática de Angra do Heroísmo. 

ilha terceira monte brasil

Fomos até à outra ponta da ilha visitar a praia da vitória e decidimos almoçar por lá. Provámos o prego de alcatra dos Açores, que podem encontrar em muitos restaurantes e snack-bares. Provem também, a carne é tão maravilhosa que não se vão arrepender! No nosso caso fomos ao restaurante A Garça na Praia da Vitória.

ilha terceira restaurante a garça

Optámos por deixar o tão recomendado Restaurante Beira-Mar em São Mateus para as despedidas, e cumpriu muito bem. Peixe fresco como se quer, pena o serviço trapalhão e esquecido, mas ainda assim percebemos o porquê deste restaurante ser uma referência na Ilha (podem ler aqui o nosso review).

ilha terceira restaurante beira mar

A Ilha Terceira vale muito a visita durante um fim de semana (ir Sexta depois de almoço, voltar Domingo ao final do dia), não só pela beleza natural e atracções geológicas, mas também pelo estado “em bruto” em que se encontra. Aqui sente-se a Natureza como ela devia ser sempre, quando sem o toque humano.

Por isso, é alugar um carro e partir à aventura!

3 comentários em “A nossa viagem à ILHA TERCEIRA, Açores”

  1. Viva,
    obrigado pelo reporta da Ilha
    já me ri bastante, estive lá 5 dias, e não fui comer a nenhum dos sítios que falam….
    os sítios a visitar não falhou nenhum e ainda fui a mais alguns. mais um motivo para voltar a Terceira para tirar a teima no que diz respeito a gastronomia.

    obrigado
    Carlos Pereira

  2. Boa noite
    Peço desculpa de estar a incomodar, mas onde ficaram hospedados?
    É que vou viajar em Fevereiro para os Açores e não queria ficar num hotel, queria algo mais tradicional
    Obrigada 😀
    Branca

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.