O FRADE

Tudo estava bem… até chegar a conta!

Sou daquele tipo de pessoas que não se importa de gastar dinheiro com um jantar. Mas, claro, se perceber que o que estou a gastar é justo. E isso aplica-se tanto a uma tasca onde pago 10€ ou a um restaurante todo xpto onde pago 100€. O importante para mim é sentir que o preço foi ajustado à experiência. Ora, saltando já para o final, n’O Frade sentimos que fomos “roubados”! O termo pode parecer demasiado agressivo mas foi com este feeling que de lá saímos. E passo a explicar porquê…

Mas antes, um enquadramento. As tascas modernas, que tiveram o seu boom há uns 3 anos atrás, nunca desapareceram por completo. Eram todas iguais a nível de espaço e do mobiliário utilizado, tinham todas ementas muito parecidas (os ovos com farinheira, os pimentos padrón, os peixinhos da horta e o pica pau…)… no fundo, como com as hamburguerias, encontrou-se um modelo base e quem veio a seguir foi simplesmente replicando. Ora, esse cenário está a mudar nos dias de hoje, com o aparecimento daquilo que podemos quase chamar de “Tasca Moderna v2.0”: espaços que seguem a mesma linha, mas em vez dos petiscos focam-se mais nos pratos tradicionais de alguma zona do país, usando técnicas mais modernas e com um toque de sofisticação a nível do empratamento.

o frade balcão

O Frade é um destes espaços, que têm aberto em Lisboa no decorrer deste ano. Fica mesmo no início da Calçada da Ajuda e é basicamente um balcão, que partilhamos com as outras pessoas que lá tiverem e com quem está atrás dele a dar últimos toques na comida e a servir. Madeiras, mármores, azulejos, iluminação com pinta, cadeiras confortáveis para comer ao balcão, o que é muito importante. Malta nova na cozinha, simpática, informada. Bom começo.

o frade

A lista d’O Frade é baseada em petiscos (diferentes dos habituais) e depois há três pratos principais. Como somos 3 pessoas, perguntamos quantos pratos pedir, por não saber a dimensão das doses. O que nos sugerem são 5 petiscos e 1 prato principal. Parece-nos um pouco exagerado, mas efectivamente não sabemos (ainda) se é muita ou pouca comida.

o frade couvert

Começamos com a trilogia clássica: pão, manteiga e azeitonas, enquanto vemos o pessoal atrás do balcão a ir buscar ingredientes e a começar a empratar aquilo que julgamos ser para nós. E é nessa altura que começam a chegar os pratos, quase sempre aos pares. Os primeiros são o Coelho de Coentrada e o Pato de Escabeche, duas escolhas imediatas quando olhámos para a ementa. Ambos muito bons, ainda que no caso do escabeche goste dele mais apurado… mas gostos são gostos. Um começo muito simpático, sim senhor.

o frade petiscos

Nesta altura também já percebemos que as doses não são pequenas como seria de esperar quando te sugerem tanta comida… e ainda faltam (muitas) coisas. A Muxama de Atum com Ovos é talvez o elo mais fraco da noite, muito por causa das proporções (são demasiados ovos para tão poucas e tão finas fatias de muxama). Este prato já não terminamos.

E depois chegam mais duas entradas. As Lulas com Grão, um prato tipicamente algarvio, que podia ter mais um pouco de sal, mas que não deixa de ser saboroso e interessante. E a Galinha Acerejada, outro clássico do Sul do País, que foi claramente o melhor dos petiscos, com o seu sabor intenso e pele crocante… mas que chega depois de outros 4 pratos, quando já estamos bastante cheios. A sugestão desta quantidade de comida foi claramente exagerada, e ainda nos falta o prato principal.

o frade petiscos

Lá está, não há grande coisa a apontar à confecção dos pratos, mas não era preciso tanta comida. A nível de sabor, o Arroz de Robalo que escolhemos como prato principal é de longe o melhor prato da noite, mas de muito longe. O arroz tem o sabor perfeito, boa proporção de peixe e amêijoas, sabor a coentros puxadinho… enfim, um prato do caraças! Mas outro prato que não acabamos por estar demasiado cheios da quantidade exagerada de petiscos que nos recomendaram anteriormente.

o frade arros de robalo

Ainda antes de falar sobre as sobremesas, uma palavra para os vinhos. O Frade só serve vinhos da talha, que são feitos através de um processo muito antigo onde as uvas são colocadas dentro de talhas de barro e a fermentação acontece automaticamente, sem ser provocada. Isto é tudo muito engraçado… mas quando não tens opção e só existe este tipo de vinho, é para aí que tens de ir. E quando pedimos uma sugestão de bebida, sugerem-nos uma das referências existentes (a mais cara) e a copo. Ou seja, com o passar do jantar acabamos por beber uma garrafa… mas servida copo a copo, ao preço do copo. Estão a ver onde vamos chegar?

De qualquer forma, terminamos com 3 sobremesas, também bastante recomendadas: a Encharcada e o Requeijão com Mel fazem parte da carta permanente e são gulosas, é verdade, ainda que não muito bem servidas (em comparação com o resto do que nos foi servido); e uma Aletria, um especial do dia, talvez a mais normal das três, assim como a melhor servida. O que é indiferente, porque não a acabamos.

O Frade Sobremesas

Com o café, um miminho: um cannelé, uma espécie de bolo da região de Bordéus, de uma pastelaria apenas uns metros ao lado. E uma aguardente de pêra-rocha, deliciosa.

Mas depois veio então a conta… e pagamos 43€ por pessoa. Pois é. Ficamos assim um bocado chocados, mas ao analisar a conta percebemos o que se passou. Os 6 copos de vinho que nos foi sugerido ficam substancialmente mais caros do que se tivéssemos pedido uma garrafa, e a sugestão de aguardente que nos fizeram custa 7,5€ o copo. Servido ligeiramente abaixo da marca, diga-se. Isto para além de claramente nos terem sugerido demasiada comida para 3 pessoas. O truque dos restaurantes para turistas. Algo que não esperávamos de um restaurante onde nos receberam com tanta simpatia. E sim, podíamos ter perguntado o preço de tudo o que nos estavam a sugerir… mas quando a simpatia com que nos recebem parece ser genuína, acreditamos que não nos vão tentar fazer pagar mais do que o devido. Pensávamos nós…

Por isso, o sentimento de frustração ao sair d’O Frade é geral, e a opinião dos 3 é a mesma: o que comemos não justifica o preço que pagámos. Foi-nos sugerida demasiada comida, foram-nos sugeridos vinhos sem nos dizerem os preços, foi-nos sugerida uma aguardente “caseira” mais cara do que alguns dos pratos. Este tipo de atitude é de restaurante na Baixa lisboeta, onde os turistas só vão uma vez e por isso podemos sugerir muita coisa, eles pagam e nunca mais voltam. Como nós não vamos voltar.

Preço Médio: 25€ pessoa (mas peçam só uma entrada e um prato, bebam uma cerveja… e fujam!)
Informações e Contactos:

Calçada da Ajuda, 14 | 1300-598 Lisboa | 939 482 939

31 comentários em “O FRADE”

  1. Tipo português, quer encher a barriga e não pagar.

    Pelo descrito que pediram não pagou muito. Foram preços médios. Quanto ao vinho ser mais caro ao copo… estranho era se não fosse.

    Responder
    • Típico “chico esperto”: Se eu fosse proprietário do restaurante,movia-lhe um processo criminal por difamação.
      Vejamos: Não comemos este prato porque estávamos cheios,não comemos aquele ,estávamos cheios.
      No fim:De tão cheios que estávamos,comemos,,sobremesa/café e digestivo. O que esperávam
      Milagres?

      Responder
      • Caro, Anónimo
        Deveria sabir distinguir entre difamação e crítica, felizmente vivemos em liberdade e cada um pode expressão a sua opinião. Esta foi a nossa experiência, partilhada exactamente da mesma forma que fazemos com todos os restaurantes

        Responder
  2. Boa noite.

    Ja experienciei a ida ao restaurante acima indicado, e clatamente qhe nao é qualquer “tasca”. Contudo, a refeicao demonstrou tsr sido confecionada com conhecimento gastronomico. Infelizmente, tenho a dizer q fez juz ao preco pago. (Apesar de, por isso, nao o frequentar tantas vezes como gostaria.

    Agora, face ao mencionado e sugerindo uma ajuda no calculo da conta:
    7,5 × 6 (copos de vinho)=45 euros
    Assumindo que cada prato de petisco custa em media 8 euros,
    8×5 = 40 euros
    Se as entradas rondarem uns 2 euros por pessoa
    2×3 =6 euros
    Se as sobremesas froem 5 euros,
    3×5 = 15 euros
    Prato principal 15
    Cafe com bomboca 1 euro
    1×3 =3 euros
    Assim, a vossa conta, encontra se certa
    (41.3€, aproximadamente)
    Pro tip, se nao tencionam gastar o preço referido, aconselho vivamente a pedirem a carta (cujos os precos se encontram estipulados a priori da refeicao), ou nao it a uma restaurante tao caro sem uma review feita, ou entao pedirem os pratos a medida do vosso apetite.

    Responder
    • Caro, anónimo

      Decidimos seguir uma sugestão e pagámos o preço de acreditar na simpatia de quem nos servio. Essa foi a nossa única crítica, como pode verificar pela crítica elogiamos praticamente toda a comida.

      Responder
  3. Não concordo que tenham sido roubados. Pediram sugestões, que foram dadas e aceiteram. Ninguém vos obrigou a pedir o que foi sugerido e os preços não foram “alterados” para vos enganar. Já lá estavam e vocês só não consultaram e fizeram contas à vida porque não quiseram. Logo, não vejo sentido em falar em roubo. Eu se for a algum lado e achar que x coisa não vale o preço ou eu não posso pagar, não compro. É simples

    Responder
  4. Sou proprietário de um restaurante, um dos caros da minha zona, caro porque compro qualidade, caro porque tenho salários em dia, caro porque tenho certidões de não divida ao estado, caro porque não trabalho de borla, e tenho uma família a sustentar. Sei que muitos não teem condições de frequentar o meu restaurante “frequentemente”, mas que me escolhem em ocasiões especiais. Recebo toa a gente de braços abertos, mas confesso, que oportunistas me causam calafrios.

    Responder
    • Olá, Nuno

      Não percebemos a referência a “oportunistas”. Visitamos o restaurante em regime de cliente mistério e não saimos sem pagar a conta. A diferença vs um cliente normal é que nos tempos livres escrevemos sobre restaurantes.

      Responder
  5. Ainda bem que informam fugir de restaurantes assim não sei o que ganham a fazer isso além de afugentaram os clientes, não voltam, acontece isto perdem futuros clientes porque não confiam enfim quem tudo quer tudo perde, obrigado por partilhar experiência já me aconteceu e nunca mais voltei

    Responder
  6. Na minha opinião bem queimada. Quando vou ao restaurante e peço uma sugestão não estou à espera de ser enganado, nem que me impinjam comida que dá para o triplo das pessoas. Já fui “enganado” da mesma forma pedir comida para 4 que dava para o dobro. A comida ficou em cima da mesa e eu nunca mais lá entrei.
    É um facto que é uma opção do cliente aceitar, ou pedir uma opinião ao colaborador que serve à mesa, mas será de bom tom o colaborador ser honesto. Senão é casa para se visitar uma vez e tal como estes clientes, do restaurante fazer terra queimada. Honestidade acima de tudo. Os clientes podem ter sido incautos porque confiaram. Mas da parte da casa não houve honestidade. Não conheço a casa nem os clientes, fica feita a declaração de interesses. Este comentario apenas reflete a minha opinião, sobre o que li.

    Responder
    • Pelo que li sobre “O FRADE”, é uma forma airosa de publicitar este espaço e divulgar a sua gastronomia, fiquei encantado com os pratos divulgados, até porque, o problema foi o preço, quando todos sabemos que está em conformidade com o serviço prestado e pelos vistos bem confecionado, nada foi devolvido ou reclamado ao chefe de cozinha.

      Responder
      • Exactamente, Costa! Como foi mencionado na review, se teve oportunidade de ler, a questão aqui só se colocou com as recomendações e sugestões do staff. A qualidade não foi posta em causa.

        Responder
    • Obrigado, Kiko. Ficamos contentes que tenha percebido o nosso ponto de vista. Foi exactamente isso, confiámos que as sugestões faziam sentido e quando os pratos foram chegando à mesa percebemos que devíamos ter sido mais atentos.

      Responder
    • Quem tem um estabelecimento aberto e bons profissionais a trabalhar, o resultado só pode ser este… Um funcionário quando é bom naquilo que faz, além de servir os clientes também tem que saber vender o produto… tudo o que comeram foi-lhes sugerido, a decisão de aceitar … ou não… é sempre do cliente… pelos pratos enumerados que lhes serviram, não me parece nada exagerado… por ultimo, deve existir ementa dos pratos e petiscos com o respetivo preçário, se não consultaram perguntavam o custo de cada sugestão apresentada… é o meu ponto de vista!!!!

      Responder
  7. Penso que a conta até foi justa . Foram servidos com simpatia os pratos foram bem servidos com bastante comida visto serem entradas, não comeram gourmet porque aí sim eram mal servidos e pagavam bem. Em relação a bebida qualquer pessoa sabe que as bebidas e degistivos Sao sempre mais caros que as refeições.

    Responder
  8. Também acho, se já estavam tão cheios, porque foram comendo sempre mais e ainda as sobremesas. Coitadinhos, são mesmo parolos.

    Responder
  9. Quem lê este artigo fica imediatamente com duas informações:

    – Os clientes criaram um blog para ter sucesso e viver às custas do blog, como existe o blog do casal mistério!!!!

    – tal como falaram e infelismente é o que refletem no artigo que escrevem: “não percebem nada de restauração” (então deviam ficar calados, e escolher outro tema para o blog deles!!!!)

    O mais grave de tudo…é escreverem um artigo mal escrito, difamando os empresários que nos dias de hoje ainda se esforçam por manter a restauração aberta.

    Se não tinham dinheiro…não escolhessem este restaurante!!!!

    Responder
    • Olá, Anónimo

      Por falar em mal escrito, “infelismente” escreve-se “infeliZmente.
      Felizmente temos possibilidade de frequentar vários restaurantes, dai continuarmos a alimentar este blog.

      Responder
  10. Bom dia ,

    Parece me que os comensais ou eram ingénuos ou ignorantes . Ter noção de todo envolvimento , de toda a quantidade e pedir vinho a copo a pensar que está a beber de uma garrafa , revela ingnorancia . Pelo discurso que leio fico com a sensação que que está errado sãos o comensais e não o restaurante . Penso ainda que não devem passar informações erradas . Devem acima de tudo perceber primeiro que tipo de restaurante vão. Devo informar que não pertenço ao restaurante e muito menos o conheço . Pelo que o meu comentário tem por base o que li . Não cometao erros como este

    Responder
    • Até fez me impressão ler esta review ao restaurante. Expecialmente a parte do vinho quando lhe foi dado carta para a mão. Mais um típico português rasca a querer dizer mal… Fazia lhe falta 1 mês a trabalhar em hotelaria e restauração

      Responder
  11. Que revisão mais absurda. Primeiro comeram literalmente às cegas, não viram a carta? Depois acho que para aquilo que comeram não foi exageradamente caro como pintam. Em todos os pratos referiram que era muita comida, todos os pratos foram sugestões, as bebidas foram sugestões (burros são vocês, ninguém bebe vinho a copo.), estavam a espera de quê? Foram comidos como os turistas. Só acho que não deviam dar esse tipo de revisão, que não é real, visto que ninguém faz o que vocês fizeram, qualquer outra pessoa vê a carta e pondera o que vai comer mediante o seu orçamento, aqui só estão a queimar uma casa.

    Responder
    • Na minha opinião bem queimada. Quando vou ao restaurante e peço uma sugestão não estou à espera de ser enganado, nem que me impinjam comida que dá para o triplo das pessoas. Já fui “enganado” da mesma forma pedir comida para 4 que dava para o dobro. A comida ficou em cima da mesa e eu nunca mais lá entrei.
      É um facto que é uma opção do cliente aceitar, ou pedir uma opinião ao colaborador que serve à mesa, mas será de bom tom o colaborador ser honesto. Senão é casa para se visitar uma vez e tal como estes clientes, do restaurante fazer terra queimada. Honestidade acima de tudo. Os clientes podem ter sido incautos porque confiaram. Mas da parte da casa não houve honestidade. Não conheço a casa nem os clientes, fica feita a declaração de interesses. Este comentario apenas reflete a minha opinião, sobre o que li.

      Responder
  12. Não perguntar os preços é de BOSS, querem dar uma de ricos e pinba.
    Depois queixam.se.
    É uma estratégia do restaurante e foram bem comidos. No fim paga e aguenta a conta.

    Responder
  13. Quem escreveu esta review, estava distraído, ou é daqueles que vai a Sesimbra comer bifes. São experts, mas pouco. Tascas, são um lugar que já não existe na sua essência. E, quem vai a um lugar destes e come o que comeu, até berbigão, mas que lhe chama ameijôa, ou é parolo, ou percebe pouco da poda. Três pessoas, beberem vinho a copo, revela que devem estar mais habituados a beber refresco a jarro. Uma refeição, só é cara, quando há um mau serviço, ou o que comemos não estava a gosto. Ora, se há elogios a grande parte do que comeram, só revelam que são tão “turistas” como os outros.

    Responder
  14. Manel,
    Porque as nossas reviews não se fazem sozinhas. Pedimos sempre entrada prato e sobremesa para garantir que podemos escrever sobre uma experiência completa.

    Responder

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.