MEATS – BURGER & STEAK HOUSE

MEATS – BURGER & STEAK HOUSE

Uma steak house… sem bifes.

Esta foi a primeira ideia que nos saltou à vista no Meats – Burger & Steak House: o facto de só ter um bife na carta, da vazia, servido com ovo. O resto da carta são hambúrgueres, servidos no pão ou prato, com combinações diferentes, mas depois é só um bife. Então porque raio é que estamos numa “steak house”?

Mas depois, já no restaurante, começámos a olhar em volta e percebemos que, se calhar, AINDA não estamos numa steak house. Porque este Meats – Burger & Steak House é o novo inquilino do espaço que já foi vários restaurantes diferentes nos últimos 5 ou 6 anos, onde até há relativamente pouco tempo era a Hamburgueria T5. Que servia… adivinharam! Hambúrgueres! Ora, um olhar à volta no restaurante basta para ver várias peças de sinalética do restaurante antigo, apenas remendadas por um autocolante do novo Meats. “Pesadelo da Cozinha”, esta é para vocês! 😉

Ora, pelos vistos não foram só cartazes que não foram mudados ainda. Provavelmente o Meats até vai passar a ser uma steak house, mas nesta fase de transição em que resolveram utilizar o capital do restaurante anterior, são apenas uma hamburgueria… com um bife na carta. Se calhar daqui a uns meses isso está resolvido, se calhar não. Mas para quem lá vai nesta fase, se vão pela ideia de uma steak house, vão ao engano.

Na ementa há diversas entradas e diversos hambúrgueres, nada assim de surpreendente (será que vinham da carta do restaurante anterior? Nunca saberemos…). O Bolo do Caco com Manteiga de Alho devia estar mais torrado, as Chamuças de Frango são mini mas são boas. Os Pimentos Padrón são iguais a todos os outros no mundo e as Lascas (de batata) são demasiado grandes para manter a rigidez, o que torna difícil de molhar na maionese de pacote que as acompanha.

Depois, os reis da festa, ou seja, os hambúrgueres. Além das várias opções em carta, ainda podemos compor o nosso próprio hambúrguer, escolhendo a carne, o pão e tudo o resto, o que nos permite pedir um Hambúrguer de Frango com Bacon e Ananás, onde só convence o bacon.

Sim, as próximas fotografias podem parecer repetição, mas não, são mesmo hambúrgueres diferentes. Todos servidos da mesma forma, mas pronto. O Hambúrguer com Queijo Chévre traz o mesmo bacon do outro e cebola caramelizada por cima, e resulta porque os elementos resultariam sempre e neste caso a carne é boa.

Aliás, isso é comum a todos os hambúrgueres que o nosso grupo recebeu: carne boa, servida no ponto certo. Pena que depois a apresentação ou alguns ingredientes não acompanhem o protagonista. Como no caso do Green Burguer (há mais 3 cores além desta, que estão relacionadas com o pigmento dados ao pão), cuja apresentação é, pelo menos descuidada. Por cima da carne estão atirados pedaços de tomate e cebola roxa, além de ripas de alface, o que torna o aspecto assim numa coisa ridícula. A carne é recheada com queijo Philadelphia – vá-se lá saber porquê – por isso todo o conjunto é só estranho e desconexo.

Ou, como outro exemplo, o hambúrguer incluído no Menu Hellman’s: alface, queijo cheddar, cebola frita (nem por sombras), molho tártaro Hellman’s (ou seja, maionese normal) e tomate seco grelhado, em bolo do caco. Aqui, mais do que a apresentação, são os ingredientes. Ou a sua confecção, sei lá. Simplesmente não resulta.

E depois chegamos então às coisas mais simples, ainda que apresentadas exactamente da mesma forma que o resto. Criatividade, meus senhores! Criatividade…
O hambúrguer Serra da Estrela é basicamente a carne (boa, voltamos a salientar esse ponto) com um bocadinho de Queijo da Serra em cima, outro bocadinho de bacon e depois uma montanha de rúcula (atirada ali para cima directamente do pacote, nem é preciso temperar).
E o bife que faz do Meats uma “steak house”! O Bife da Vazia, com batatas fritas e ovo estrelado. Nada a apontar de mau, antes pelo contrário! O bife é bom e está no ponto pedido, o ovo está bem estrelado e as batatas cumprem. A rúcula era desnecessária, mas pronto. O problema não é o bife em si, é ser a única opção numa “steak house”.

Depois de todo este festim de carne (not…), o nosso grupo ainda pediu umas sobremesas. Não porque nos chamassem uma enorme atenção, apenas porque era preciso fechar o jantar. Nada surpreendente, mas sem que fosse mau também: um Crumble de Maçã que é na realidade uma Tarte de Maçã, normalíssima, acompanhada por uma bola de gelado e “topping” (que aqui estava no prato, debaixo dos talheres); e o Bolo de Chocolate Crocante (onde?!), com frutos silvestres (3) e topping (que aqui estava quase todo no prato, debaixo dos talheres, ainda que houvesse umas pingas em cima do bolo).

No fundo, ia à procura de uma steak house e saiu-me uma hamburgueria. A diferença é grande, ainda que muita gente (principalmente do lado dos restaurantes) insista em pôr tudo no mesmo saco. No caso Meats, há o factor positivo da carne ser boa e, na sua grande maioria, ser bem trabalhada. O resto dos ingredientes e a apresentação precisam de mais, muito mais. O serviço também, mas nem vamos entrar por aí.

Quero acreditar que o Meats vai acabar por se encontrar e definir o que realmente quer ser, mais do que este espaço de transição com autocolantes a tapar o restaurante anterior – autocolantes reais e metafóricos. Mas neste momento está só assim num limbo estranho, em que nem é carne nem é peixe. E isso ou se resolve rápido ou então vai apenas provocar mais uma mudança de nome na fachada daquele edifício.

Preço Médio: 15€ pessoa (com cerveja)
Informações & Contactos:

Rua Conde Barão, 6 A | 2645-109 Alcabideche | 925 709 099

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.