O CORTIÇO (Viseu)

O CORTIÇO (Viseu)

Um ex-libris de Viseu!

Quando vamos para uma zona do País que não dominamos, aquilo que habitualmente fazemos é pedir-vos opiniões. Sim, a vocês, os que estão a ler este texto e os muitos outros que nos seguem. Lançamos reptos no Facebook ou no Instagram e, geralmente, chegam-nos imensas dicas. Tantas que o nosso principal problema é escolher entre todas elas. Um “problema” bom, diga-se! 🙂
Ora, quando fomos a Viseu fizemos exactamente a mesma coisa… e qual não foi a nossa surpresa que houve um nome repetido na grande maioria das respostas: O Cortiço. Havia outros, é verdade, mas quase toda a gente nos recomendava também este restaurante. E essa quase unanimidade fez com que decidíssemos que, seja quando fosse, lá iríamos jantar uma noite. E assim foi! 😉

Como é que é possível não gostar de um restaurante que nos oferece uma mesa assim?!

Esta foto em cima serve apenas como teaser, porque no fundo resume uma das coisas que nos fez ficar apaixonados pelo O Cortiço: a comida, a maravilhosa comida, a comida espectacular! Mas a verdade é que é impossível falar sobre o restaurante sem falar sobre o fenomenal serviço de mesa. O nosso jantar no O Cortiço foi dos melhores e mais divertidos que tivemos este ano, e fez do restaurante um daqueles que vamos recomendar a toda a gente!

Uma casa cheia, mesmo ao final da noite.

Mas vamos começar do início. O Cortiço fica no centro da cidade e ajusta-se ao que esperamos de um restaurante típico: as paredes em pedra, candeeiros a puxar para o antigo, mesas com toalhas brancas e cadeiras de madeira, quadros com imagens antigas na parede. Podemos ver isto como o tradicional típico ou o tradicional para turistas, mas que resulta bem, resulta. Três salas diferentes, a última com uma parede onde podemos ver folhas com desenhos e textos sobre o restaurante, feitos por todo o tipo de clientes.

Nas paredes, folhas desenhadas ou escritas com mensagens sobre o restaurante.

A primeira interacção com os empregados é logo quando nos trazem a ementa. Percebem que não somos de Viseu e começa a brincadeira. É um trocar de “bocas” e de piadas, sempre de forma muito divertida. E tão genuínos que nos faz ficar na conversa até fora de horas, como se fôssemos amigos de longa data. Isto é daquelas coisas que dificilmente encontramos em restaurantes nas cidades “capitais”.

É neste ambiente divertido que recebemos na mesa o couvert, com pão caseiro de vários tipos e um queijinho amanteigado e um presunto do caraças! Mas ainda estávamos a meio disso quando nos trazem uma frigideira com enchidos ainda a ferver. Chouriço, morcela, barriga de porco, tudo delicioso! Uma maravilha! Desaparece num instante! 🙂

Começamos com um couvert tradicional…
… e depois chega a frigideira com os (maravilhosos) enchidos!

E só não pedimos mais porque sabíamos os pratos que vinham a seguir e não queríamos ficar já cheios. Porque a primeira coisa que nos chega à mesa é o Arroz de Carqueja. Um prato que conheci há relativamente pouco tempo e passei a adorar, mas que infelizmente não me aparece tantas vezes à frente como gostava. No Cortiço, a escolha foi feita sem hesitar, e ainda bem porque o prato é fabuloso! O sabor e profundidade do caldo, a carne tenra e saborosa, a intensidade da carqueja, tudo cozinhado na perfeição, por quem sabe. Um prato que pode não ser fácil, mas que me fazia voltar ao Cortiço assim de caras!

Arroz de Carqueja. Que maravilha!

E se o Arroz de Carqueja é delicioso, então ficamos igualmente maravilhados com os Miminhos (que na lista são “À João Padeiro”). Porque a cozinha tradicional não precisa de ser complicada, basta se bem cozinha e, acima de tudo, ser cozinhada com amor. São bochechas de porco, tenras, saborosas que nem nem sequer dá para descrever. A carne é fantástica, e acompanha com batatas assadas no forno (claro), arroz de forno (brutal!) e umas couves salteadas ligeiramente picantes e deliciosas. Isto é comida de conforto, isto é aquilo que fazemos melhor.

Miminhos à João Padeiro. Sem palavras…

Durante todo o jantar a relação entre nós e os empregados foi ficando cada vez mais divertida, e por isso quando chegámos às sobremesas, já era uma galhofa imensa! As sugestões foram prontamente seguidas e ficámos por duas sobremesas bastante simples: o Leite Creme, queimado ao momento (mas pouco), delicioso, e o Pudim, sim, um simples pudim de ovos, simples mas muito bom. Novamente, tudo caseiro, como se estivéssemos em casa de família.

Pudim e Leite Creme. Não há cá “modernices”!

Já toda a gente foi embora do restaurante e nós até já pedimos a conta, mas a conversa e troca de piropos com o empregado continua, sendo que já estamos todos a chorar a rir com a palhaçada! 🙂 Quando nos sentimos bem e somos bem recebidos num restaurante, custa muito mais ir embora.

Não sei se O Cortiço é o melhor restaurante de Viseu, porque não conhecemos muitos mais. Mas para mim foi uma enorme surpresa e um daqueles sítios que vou recomendar sempre que me perguntarem. Como me fizeram a mim, aliás. 

Preço Médio: 22€ pessoa (com vinho)
Informações & Contactos:

Rua Augusto Hilário, 45 | 3500-089 Viseu | 232 416 127

[codepeople-post-map]

1 comentário em “O CORTIÇO (Viseu)

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.