MESTRIAS NOVA TASCA

MESTRIAS NOVA TASCA

Petiscos… e um serviço que tem muito a melhorar.

Há uma nova tasca na Ajuda!
Era previsível começar assim, não era? Pois que já está! O Mestrias Nova Tasca é um dos mais recentes restaurantes da Ajuda, situado no Largo da Paz, onde antes existia um restaurante chamado Paz onde, dizem as lendas, o Eusébio parava muitas vezes e se comia dos melhores bacalhau à Brás de Lisboa. A última afirmação tive oportunidade de verificar que não era verdadeira, a primeira fica como mito urbano. Mas estou a divagar, pois isso pouco interessa para o que temos a contar sobre esta Nova Tasca, o Mestrias.

A moda das tascas modernas não morreu completamente, só abrandou um pouco. E elas continuam a abrir por aí, com o seu ambiente mais ou menos semelhante, a decoração e louça a tocar no vintage, e as ementas recheadas de velhos novos clássicos. A única diferença do Mestrias é estar na Ajuda, um bairro onde tenho a sensação que ainda não havia nenhum espaço deste tipo (posso estar enganado, mas penso que não).

De resto, o Mestrias tem lá tudo aquilo a que esta tipologia de restaurantes nos habituou. E, por ser novidade na zona, tem estado sempre cheio. Cheio ao ponto de tentarmos 3 vezes reservar ou aparecer, em 3 dias diferentes, e voltarmos sempre para trás. As tentativas falhadas só nos despertam mais curiosidade… por isso à quarta tentativa foi de vez!

Duas salas e uma esplanada, cozinha semi aberta, azáfama enorme, como é habitual nestes sítios. Sabemos mais ou menos para o que vamos… mas não esperamos este tipo de serviço. Porque se em tudo o resto o Mestrias cumpre, no serviço ainda há um longo caminho a percorrer! Bastante descoordenado, visivelmente sem experiência nenhuma… e com muito pouco conhecimento do que o próprio restaurante serve. São várias as vezes que empregados diferentes nos vêm perguntar as mesmas coisas, temos de repetir vezes sem conta os pedidos ou que estamos à espera… Numa tasca destas e com pratos tão simples de explicar, é preciso ter conhecimento sobre eles. Além disso, é preciso coordenar quem vai às mesas, porque senão o caos de um restaurante cheio torna-se ainda maior.

Desde a primeira visita que sentimos esta falta de coordenação no Mestrias, ainda que simpatia não falte. Mas por mais simpáticos que sejam, passado algum tempo as falhas no serviço tornam-se simplesmente absurdas. Ao ponto de, na primeira visita, nos trazerem a conta com o multibanco na mão e, quando o pedimos, a empregada vai buscá-lo… ou quando pedimos para dividir a factura por dois números de contribuinte, a mesma vem só com o primeiro… enfim. Nas visitas seguintes não houve falhas tão gritantes, mas a descoordenação manteve-se, com vários empregados a virem à mesa fazer as mesmas perguntas, pedidos trocados, etc.

Mas falemos da comida. A lógica é a dos petiscos, quase todos iguais aos das outras tascas modernas, mas aqui só com o nome do ingrediente principal, para obrigar o serviço a explicar (ou a tentar, pelo menos). Nem sempre é explicativo como devia, mas felizmente no caso da Sopa de Tomate isso não é preciso, porque é uma sopa de tomate à Alentejana, rica em sabor.

Os Cogumelos são uma espécie de Bulhão Pato, e são um dos melhores pratos da noite! O molho é excelente, os cogumelos são gulosos, tudo muito bom! Parece ser uma coisa simples e provavelmente até é, mas neste tipo de sítios a maioria das vezes “menos é mais”. E estes cogumelos são do caraças! Também bastante bom o Pica Pau, embora tenha mais molho do que carne. O molho é bom, carnudo, espesso, mas realmente a dose tem pouca carne. Ainda assim, logo estas duas entradas fazem pedir um segundo cesto de pão.

De resto, Ovos com Farinheira e Pimentos Padrón. Ambos sem grande história, cozinhados como deve ser, sem surpreender nem nos deixar ficar mal.

Na nossa primeira visita não sabemos ainda o tamanho das doses, por isso pedimos ainda dois pratos (éramos 3 pessoas). Novamente, quem nos recolhe o pedido devia ter avisado que os petiscos são bem servidos e que por isso não faz sentido pedir tanta coisa. Mas não… Por isso ainda chegam à mesa dois pratos que percebemos logo que não vamos conseguir acabar de comer.

O Bacalhau à Brás é bom, húmido, fresco. Não sei se será para manter a tradição daquele local, mas pela nossa experiência este bacalhau à Brás bate aos pontos o que era servido no restaurante que aqui estava antes. Muito bacalhau, ovos bem misturados, excelente tempero. É um dos meus pratos preferidos e aqui é muito bom, sim senhor.

Por outro lado, o Arroz de Choco é demasiado pesado, intenso, um bocado empapado. Acima de tudo, são pratos que já nos apanham cheios, depois dos 4 petiscos, e nisso o serviço devia ser mais explicativo. Senão estamos só a pagar por coisas que não vamos comer até ao fim…

Felizmente nas visitas seguintes já estamos ensinados, por isso já sabemos que não devemos exagerar nas entradas. Até porque foi só na terceira visita que descobrimos aquele que é o melhor prato do Mestrias… e provavelmente o melhor leitão que comemos em Lisboa! O Leitão Confitado do Mestrias é assim uma coisa do outro mundo! A carne tenra e deliciosa, a pele crocante e salgadinha, mas tal é o sabor do bicho que nem precisa de molho rigorosamente nenhum! Se gostam de leitão não podem deixar de ir até à Ajuda experimentar este… e se não gostam, vão na mesma! Aprendem a gostar! 😉

Finalmente, as sobremesas. Pedimos duas, porque quem me acompanha no jantar acredita que há sempre o “estômago da sobremesa”. A Mousse de Alfarroba é uma pequena desilusão, porque sabe pouco à dita… e a Tarte de Limão Merengada é boa, equilibrada entre o doce e o ácido do limão. Ok, é servida com um cabelo, que dá para ver pela fotografia. Não vinha descrito na ementa, por isso não deve ser sempre assim…

Mas há outras sobremesas na carta, se calhar até mais consensuais. Por exemplo, os dois bolos tipo tarte: o de Chocolate, com 3 texturas diferentes (ainda que pudessem ser mesmo mais diferentes umas das outras) e a Tarte de Doce de Leite, uma bomba de leite condensado, mas bomba no sentido decadente e delicioso!

Independentemente do serviço não ser realmente tão ágil como deveria ser para este tipo de restaurante (e ainda mais tendo em conta a afluência que tem), o Mestrias Nova Tasca tem efectivamente muita coisa boa. A comida, na sua grande maioria, e as doses que são efectivamente grandes. O que também faz com que o preço se torne bastante simpático.

No fundo, o Mestrias Nova Tasca promete continuar a ser um caso de sucesso na Ajuda, porque não tem concorrência. E também porque não é mau, mesmo tendo em conta que o serviço tem de se tornar muito mais profissional. Mas, se houvesse concorrência, se calhar a história já não era a mesma… De qualquer forma, vale a pena ignorar alguma lentidão e tudo o resto só para ir lá comer aquele fantástico leitão confitado!

Preço Médio: 18€ pessoa (com vinho)
Informações & Contactos:
Largo da Paz, 22 B | 1300 Lisboa | 913 342 204

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.